Manannán mac Lir, Deus do Mar, Mestre na Magia

Manannán mac Lir, Deus do Mar, Mestre na Magia

abril 10, 2020 0 Por Pagan

Filho de Lir (um Deus muito antigo), Manannán mac Lir é o Deus irlandês do oceano. A mitologia celta conta que Manannán mac Lir também é mestre na magia e na mudança de forma, tendo a capacidade de fazer uma dúzia de homens parecer um exército e causar esquecimento quando usa sua capa mágica.

Deus Manannán mac Lir. Crédito – https://www.deviantart.com/gpalmer/art/Son-of-the-Sea-530806833


Registros antigos indicam que Manannán pode conceder o poder da mudança de forma àqueles que ele apreciava e que acalentava, o que o tornava uma Divindade popular entre bardos e praticantes de métodos divinatórios.

Manannán mac Lir viaja mais rápido que o vento em um barco mágico puxado pelo cavalo “Enbharr” (“Espuma de água” ou “Esplêndida Juba”), cujo cabelo é a espuma das ondas.

Manannán mac Lir
Deus Manannán mac Lir
Deus Manannán mac Lir

Manannán mac Lir é apontado como pai adotivo de várias figuras, inclusive tendo criado o Deus Lugh (em Tír Tairngire – “Terra da Promessa”) e as crianças de Dreirdre.

O Mestre na Magia é importante também no momento que os Tuatha Dé Danann precisavam derrotar os fomorianos (Segunda Batalha de Mag Tuired). De Manannán, Lugh trouxe muitos presentes para os Tuatha Dé Danann.

Deus Manannán mac Lir
Deus Manannán mac Lir

Esses dons mágicos vieram de quatro grandes cidades mágicas: Falias, Gorias, Findias e Murias. Dos Falias, os Danann receberam a pedra falante da verdade, chamada Lia Fail. Chegou a ser chamada, em alguns momentos, de “Pedra do Destino” porque a Lia Fail revelaria o legítimo rei da Irlanda.

O segundo tesouro da cidade de Findias foi a grande espada mágica, chamada Freagarthach (“The Answerer” ou “A Respondente” em tradução livre), que Lugh e Nuada empunhavam. Lugh também trouxe consigo a lança invencível de Gorias. O último tesouro de Murias foi o Caldeirão de Dagda. Este caldeirão poderia alimentar todos na Irlanda sem esvaziar.

Deus Manannán mac Lir. Crédito - https://www.deviantart.com/pickyme/art/Manannan-mac-Lir-144198452
Deus Manannán mac Lir. Crédito – https://www.deviantart.com/pickyme/art/Manannan-mac-Lir-144198452

Com esses quatro presentes da Deusa Danu, eles teriam a chance de derrotar os fomorianos e, de fato, conseguiram, inclusive com Lugh, filho adotivo do Deus do Oceano (vale lembrar) tendo sido decisivo ao matar o rei fomoriano.

Os contos da Irlanda tratam de uma sequência de invasões, com várias batalhas. Após a vitória na Segunda Batalha de Mag Tuired (contra os fomorianos), os Tuatha Dé Danann foram derrotados pelos milesianos. Manannán mac Lir sugeriu à Tribo de Danu para residir sob colinas em vez de sair da Irlanda.

Por isso, ele foi aceito entre os Danann. Em retribuição, Manannán ofereceu a “Druid’s Frog” ou Capa de Ocultação; o Banquete de Goibniu (no qual a velhice era mantida afastada); e seus próprios porcos mágicos que podiam ser mortos todos os dias, comidos todas as noites e, ainda assim, reviverem todas as manhãs.

Uma outra informação sobre o momento da derrota para os milesianos é de que Manannán foi incumbido de decidir onde os sobreviventes dos Tuatha Dé Danann iriam ficar. Ao escolher a nova morada, o Deus utilizou uma névoa de invisibilidade que favorece os Danann a realizarem o Banquete de Goibniu e permanecerem jovens.

Deus Manannán mac Lir


O Deus Manannán mac Lir também é o rei de Emain Ablach (a bela ilha das Maçãs), para onde o herói irlandês Bran mac Febail viajou depois de ter ouvido uma canção feérica.

Manannán mac Lir
Deus Manannán mac Lir. Crédito – https://www.etsy.com/il-en/listing/729638062/manannan-mac-lir-greeting-card

A Deusa Aine de Knockaine, protetora das mulheres, ligada às fadas, fertilidade, ao verão e ao amor, também tem relação com Manannán mac Lir. Em uma versão, Aine é filha do Deus, enquanto em outra a Rainha Fada é consorte de Manannán.

“Livro das Invasões”

Segundo o “Livro das Invasões”, Manannán seria filho de Allod (filho de Elada / Elatha), de modo que faria dele (Allod) um irmão de Dagda e Ogma.

Segundo a mesma fonte, Manannán também:

  • Possui controle sobre o clima no mar;
  • É um curandeiro e poderoso feiticeiro;
  • Possivelmente teve uma filha chamada Tailtiu (Taillte, que se tornou a mãe adotiva de Lugh);
  • É o pai de Mongán (a reencarnação de Finn Mac Cumhaill);
  • Em alguns momentos, empunhou a espada “The Answerer” ou “A Respondente”;
Crédito – http://www.ireland-information.com/irish-mythology/manannan-irish-legend.html
Fand. Fonte: https://www.herstory.ie/mythicwomen
Fand. Fonte: https://www.herstory.ie/mythicwomen
  • É amante ou marido de Aine;
  • Possui o navio chamado “Varredor de Ondas” (“Ocean Sweeper”), dado por Lugh a ele, podendo ser orientado por pensamento e se mover sem as necessidades de remos ou ventos;
  • Manannán possui porcos mágicos que mantêm os Tuatha Dé Danann jovens. Todos os dias, os porcos são mortos e assados ​​para os Dananns comerem e, no final de cada dia, os porcos voltam à vida;
  • Manannán foi chamado de Manawyddan no País de Gales. Nos mitos galeses, ele é apontado como filho de Llyr (irlandês Lir) e irmão do Deus Brân.
Deus Manannán mac Lir. Crédito – “Manannán mac Lir sculpture by John Sutton at Gortmore, Magilligan, County Londonderry, Northern Ireland”

Legado

No passado, os antigos gaélicos cultuaram Manannán mac Lir de maneira intensa. Hoje, a Ilha de Man (situada no meio do mar da Irlanda) leva seu nome (onde é homenageado em todo Solstício de Verão), reflexo de um passado glorioso que pagãs e pagãos por todo o mundo começam a reviver.

Deus Manannán mac Lir. Crédito – https://www.deviantart.com/anitaburnevik/art/Manannan-mac-Lir-609183371

Imagem de abertura: Deus Manannán mac Lir – http://www.thaliatook.com/AMGG/manannan.php

Celtas

O termo “Celtas” não era usado por esse povo (surgido, aproximadamente, por volta do ano 1.200 Antes da ERa Comum [AEC]) para designar a si mesmo. Pelo contrário, autores gregos e romanos usaram esse termo para designar os habitantes que possuíram domínio da Europa Continental durante a Idade do Ferro (de 1.200 a 1.000 AEC).

Os Celtas e os Druidas compartilhavam de respeito e veneração para com a natureza. Em geral, existe a ideia comum de que os Celtas possuíam uma inclinação mística congênita. Nos tempos atuais, quem se sente atraído pela cultura celta logo percebe que vê as coisas de maneiras que outras pessoas não podem.

www.facebook.com/caminhopagao

www.instagram.com/caminhopagao

pinterest.com/mitologiaemundonatural

https://aminoapps.com/c/DeusasDeuses/home/

Fontes: The Encyclopedia of Celtic Mythology and Folklore; The Book of Invasions